sexta-feira, 10 de julho de 2009

Plantação de Cana do Açúcar em Quarteira

As fontes históricas relativas à povoação de Quarteira, remontam ao século XIII. Conotada, como tendo um território, em que as zonas de cultivo eram extremamente férteis, os seus melões e melancias eram tidas de qualidade especial.
Logo, o motivo da ordem de D. João I em fazer as primeiras experiências de plantação de cana do açúcar em Quarteira, poderá ser explicado pelo seu clima e qualidade dos dos solos.
Adianta-se, que o local onde se terá levado a cabo estes ensaios, terá sido numa vasta propriedade situada a 3 km a Oeste da povoação de Quarteira.

A cultura da Cana do Açúcar, Atum e outros vai-se perdendo da memória...


4 comentários:

Anônimo disse...

e bem amigo João este post pois a pessoas que não sabem disso ficam a saber através do teu blog...Quarteira tem muita historia que a maior parte desconhece...


Garcia

luis disse...

hey joao eu ja conhecia essas plantaçoes, e ate estao representadas no nosso brasao, mas ainda algum vestigio dessa plantaçao?

João Santos disse...

A 3 km a Oeste de Quarteira.
Se existir algum vestígio, coisa muito pouco provável, há que pensar que temos Vilamoura por cima.

José Carlos Vilhena Mesquita disse...

A plantação de cana de açucar no Morgado de Quarteira foi notável sobretudo nos finais do século XV, p+rolongando-se ainda pela centúria seguinte. Rivalizava fortemente com a produção da Ilha da Madeira. Os Donatários da produção da cana foram os Barretos, cuja residência tenho fortes razões para acreditar que se trate do solar onde se encontrava a Estalagem da Cegonha. Aliás, foi nesse solar que nasceu D. Francisca de Aragão, a grande paixão de Luís de Camões, e em larga medida a inspiradora dos Lusíadas.
Com a descoberta do Brasil e a importação de escravos africanos embarateceu o preço do açucar, e com isso se perdeu a produção do açucar de Quarteira.
Voltou a implantar-se a sua produção dos finais do século XIX, com largo financiamento privado, mas também público, mercê da subsidiarização do governo, de que conheço pelo menos um relatório com o inventário da produção e do investimento. Porém, não tardou a perder-se tudo, ficando as terras de Quarteira esquecidas e com fraco proveito nas mãos dos Coutinhos.
A cana de açucar em Quarteira foi uma espécie de miragem, que hoje nem vale a pensar em reatar, porque qualquer metro de terreno vale milhões naquela que é a mais notável estância turística do país.
Espero que o assunto fique assim melhor aclarado.
Cumprimentos do J. C. Vilhena Mesquita