domingo, 11 de novembro de 2007

Complexo Desportivo de Quarteira: Está tudo minado...


Todos os dias passo neste local, sem dúvida uma realidade inerente a centenas de pessoas que se deslocam para o trabalho, treinar para o Estádio Municipal ou que simplesmente passam por ali. Já um dia deste, tinha achado muito estranho o facto dos carros de funcionários, jogadores da bola, atletas e treinadores estarem estacionados a frente do estádio. Sendo aquilo um caminho que ainda está em obras, nem uma estrada de pode chamar, nem alcatroado está, será correcto andar lá com os carros? Enfim... Nem vamos por ai, até não é a pior parte desta questão toda.

Mas agora convido os meus caros utilizadores, a olhar bem para estas imagens. Faço a pergunta: Será que o local está devidamente assinalado tendo em vista a segurança das pessoas? Coisas destas, num local onde se desenrola uma obra, onde passam inúmeros jovens e não só. Meus amigos, há coisas como simples buraquinhos, podem passar despercebido, mas uma "cova"? É esta a segurança que a CML quer que tenham os seus cidadãos, quando para assinalar o local de uma obra se metem 4 ferros fininhos e uma fita sinalizadora que anda pelo chão, mesmo boa para uma pessoa cair se espetar num dos ditos ferros?

Agora vamos analisar a outra imagem, como podem ver não inspira muita confiança. Se não fosse um dos meus atletas que no momento iam a caminhar comigo a avisar, eu nunca teria notado que a tampa daquele esgoto não estava segura. Com o simples aplicar de alguma força é possível levanta-la.
Eu fiquei... Oh Meus Deus, mas que raio de obras são estas em que as condições de segurança para os cidadão não existem? Quarteira cidade do terceiro Mundo no que toca à construção? É certo que as acessibilidades para o estádio têm que estar prontas o mais rapidamente possível, mas também vamos ser coerentes e não cair no erro de fazer tudo a todo o vapor e esquecer a segurança dos pessoas. O Café da Avozinha e personificado na minha pessoa, sente-se sempre no direito e no dever de dar a conhecer estas cenas que ninguém se lembra de falar.

Entre centenas uma falar acerca disto já é bom, mas quando essa pessoa sou eu, uiii meus amigos haverá sempre barulho no CDA!!!

8 comentários:

lopes disse...

Atão você axa que se faz obras sem buracos????
Axa que primeiro se fazem as obras e depois se metem os canos e se abrem buracos?
Ou axa que o local de obras é sítio pra se praticar ateletismo?
Lá por você detestar o PSD na quer dizer que só tenha de falar mal das obras da Câmara.

João Santos disse...

Viva o Comunismo!!! (Bah isso foi há 30 e tal ano atrás).

Questões de segurança amigo lopes, questões de segurança, que neste caso não estão a ser asseguradas.

Abraço.

João Santos disse...

Outra coisa, não odeio o meu partido, simplesmente as coisas tem um preceito para serem feitas, na minha perspectiva, ainda existe liberdade de opinião no PSD. Agora nos outros partidos... Não sei...

Se acho, que as obras que estão a decorrer, não asseguram um nivel alto de segurança para os cidadãos, ninguém me vai tirar essa ideia da cabeça até ver resultados.

Outra coisa, não estavamos a praticar "ateletismo" porque isso não existe, se fosse atletismo já praticávamos. Em todo o caso o treino já tinha acabado e estavamos a ir para casa.

Oh meu amigo lopes, as coisas têm um preceito para serem feitas.

Abraço.

Anônimo disse...

Antunes Dias
Militante do CDS-PP
Morador na Av. Mota Pinto

É aprimeira vez que escrevo neste blog nem percebo nada disto mas...
Realmente quem sai aos seus não degenera.
Á semelhança do seu partido Sr. João que segundo noticias na tv, mandou construir uma estrada em terreno privado, verifiquei que o Sr. tambem ocupa junto do ántigo café da sua mãe a via pública para estacionar o(s) seu(s) automovel(eis).
Atenção aos telhados de vidro.

João Santos disse...

Amigo Antunes Dias, a minha avó estaciona o carro à frente da porta da sua residência, porque infelizmente a minha avó tem uma deficiência numa perna a qual não lhe permite deslocar-se muito longe do local onde habita.

Muitas vezes ela tinha que ir com o carro a algum sítio e quando chegava não tinha lugar, então estacionava o carro longe de casa, o que para ela torna-se difícil.

A situação da saúde da minha avó, ninguém tem nada a ver com isso, mas como sou uma pessoa integra e defendo os meus vou-lhe só dizer que ela teve 1 ano hospitalizada em Faro derivado ao problema que tem na perna, que ainda hoje sofre e tem muitos problemas.

Um dos quais é a deslocação com grande dificuldade. Se o amigo Antunes Dias, estiver interessado em discutir o assunto pode tocar à campainha, será bem recebido, poderá falar com a minha avó e se tiver sorte ainda me apanha em casa.

E por acaso o senhor não viu o estacionamento privado que está em frente da minha casa? Isso não vê você! Já que é um militante do CDS-PP acho que a sua visão deveria de ser mais abrangente.

Mas meu amigo, mais uma vez eu lhe peço, se isto lhe faz tanta confusão, toque á campainha e venha falar com a gente.

Todos nós temos telhados de vidro em relação à nossa saúde!

Cumprimentos,

João Santos

Anônimo disse...

Antunes Dias
Se o seu familiar tem problemas de saude e não pode se deslocar até á sua viatura, faça um requirimento á CML e será lhe colocada uma placa devidamente identificada para o uso de deficientes como existem muitas outras.Já viu certamente algumas por aí não ???
Quanto ao parque privativo estou melhor informado do que você e digo-lhe que o proprietário tem toda a razão uma vez que o espaço foi devidamente autorizado para esse fim quando da aprovação da CML para construção do seu prédio. Pena é que ele não o tenha devidamente identificado como obriga a lei.Se tambem não sabe informo-lhe com o maior prazer o respectivo senhor colocou a CML em tribunal porque tentaram remover-lhe esse espaço e perdeu a acção.
Quanto a minha visão como vê é muito mais abrangente que a sua, uma vez que para mim quando se está dentro da lei nada temos a temer.
Pode ter a certeza que se necessitar de estacionar a minha viatura em frente da sua porta não o farei, mas aconcelho a pedir a respectiva autorização na CMl para que outros também não o façam.

Quanto ao seu familiar o sinceros desejos de rapidas melhorias.

Anônimo disse...

RECTIFICAÇÃO

Antunes Dias
Se o seu familiar tem problemas de saude e não pode se deslocar até á sua viatura, faça um requirimento á CML e será lhe colocada uma placa devidamente identificada para o uso de deficientes como existem muitas outras.Já viu certamente algumas por aí não ???
Quanto ao parque privativo estou melhor informado do que você e digo-lhe que o proprietário tem toda a razão uma vez que o espaço foi devidamente autorizado para esse fim quando da aprovação da CML para construção do seu prédio. Pena é que ele não o tenha devidamente identificado como obriga a lei.Se tambem não sabe informo-lhe com o maior prazer o respectivo senhor colocou a CML em tribunal porque tentaram remover-lhe esse espaço e a CML perdeu a acção.
Quanto a minha visão como vê é muito mais abrangente que a sua, uma vez que para mim quando se está dentro da lei nada temos a temer.
Pode ter a certeza que se necessitar de estacionar a minha viatura em frente da sua porta não o farei, mas aconcelho a pedir a respectiva autorização na CMl para que outros também não o façam.

Quanto ao seu familiar o sinceros desejos de rapidas melhorias.

João Santos disse...

Caro Antunes Dias, o requerimento á CML foi feito há................... E assim vamos esperando.

Tenha calma amigo, parece que está algo exaltado.

Em relação à sua visão ser mais abrangente que a minha, ainda bem que assim o é. Sou novo ainda, não tive muito contacto com esse lado mais abrangente dos assuntos que passam nesta terra e na CML. Com a sua ajuda sempre fico a saber mais alguma coisinha.

Mas obrigado pela generosidade da partilha destes factos, que desconhecia por completo.

Mas pronto estou a ver que a sua visão mais abrangente lhe proporciona bons "feedbacks" dentro da CML.

Muito obrigado pelo conselho, amigo Antunes, agradeço as melhoras que deseja a minha avó, embora ela tenha este problema já há mais de 10 anos.

Cumprimentos,

João Santos