quarta-feira, 20 de junho de 2007

"Mercado Negro" - Junto à Lota de Quarteira...

Certamente, estas são filmagens de um turista que decidiu passar as suas férias de 2006 no Algarve e escolheu Vilamoura (Quarteira). Acaba por ser interessante observar pela lente da câmara de um turista o "Mercado Negro" do peixe/fruta/roupa... Esta questão tem levantado muitos problemas, várias já foram as intervenções da GNR, muito peixe já foi ao lixo, toxicodependentes aproveitam-se da situação para ter € para a próximo "cavalo", as questões de higiene são esquecidas e as pessoas que compram peixe a eles parece que se esquecem também. Ciclo vicioso...



Este turista parece que tinha 150 cm, ou então estava numa missão impossível para conseguir estas imagens, assim sendo chego a uma conclusão, deve ter achado isto extraordinário ou então muito deprimente, em Portugal um país evoluído comparado com os destinos em que esta gente anda, situações destas ainda aconteçam. Vamos perguntar ao Presidente da Junta, pouco pode fazer, forças da lei fazem o que podem, mas acabar com a situação não se consegue. Porque depois os pobres coitadinhos vão ter que andar a roubar para o "cavalo". Isto não é discriminação, isto é a realidade da nossa terra! A falta de medidas imediatas que tenham um peso forte no tecido social Quarteirense é algo fora de série. Isto é tanto para os grupos de cidadãos que se associam como para a própria junta e Câmara. Falar é bonito, mas quando chegam as medidas essas deixam muito a desejar, enfim o CDA fez a sua parte, deu a conhecer este vídeo a Quarteira e um dia talvez o CDA possa fazer mais.

Nem falar do Bairro dos Pescadores... Fica para outra altura!


7 comentários:

Anônimo disse...

Mas que raio de terra só se vê isto em Quarteira. ASAE devia de andar sempre em cima deste pessoal.

Picanço disse...

Boa malha João
Convido-te a aprofundar o assunto para que a árvore não esconda a floresta. O mercado clandestino do peixe não se limita a meia dúzia de toxicodependentes a tentar sobreviver. Grave, grave é o facto de a esmagadora maioria vender o peixe que nem de óculos escuros consegue passar no mercado do peixe da Junta de Freguesia. Os comerciantes daquele mercado agenciam aos ditos vendedores ambulantes a comercialização do produto, impróprio para para ali ser vendido. Muito mais grave ainda é o facto de a Junta de Freguesia conhecer a situação a ponto de incluir no regulamento do mercado uma cláusula que proibe essa prática. Lamentavelmente os consumidores e a imagem de Quarteira só é protegida no papel, a ficalização que a Junta deveria fazer fica para depois das próximas eleições.
Mais grave, muitissimo mais grave é o comércio por grosso que os espanhóis e mesmo portugueses com peixe comprado em Espanha, fazem de madrugada nas imediações da lota, ali bem perto dos contentores do lixo, sem um mínimo de condições higiénicas e sem qualquer controle sanitário. A Junta disfarça, a Câmara diz que não é no seu território, a ASAE diz que de madrugada não há luz para poder convidar as televisões para o filme e a Delegação de Saúde, nem vê-la. Tudo isto em Quarteira, em 2007. Muito bem gerida está esta terra.

O Café da Avozinha disse...

Essa questão do peixe espanhol é outra!!! Mas o que podemos fazer? Estamos a UNião Europeia, acredito que existe livre circulação de bens entre os estados da união, por isso chegar a um acordo com os espanhois é capaz de ser um bocado dificil. Penso eu...

Mas sem dúvida que esta situação não pode continuar, porque agora toda a gente faz vida daquilo, chega ali uma caixa toda ranhosa quatro pedras ou um saco de plástico e faz uma banca e toca a vender peixe.

Outra melhor... Cheguei a ver pessoas que têm bancas na praça a vender peixe ali, mas o que é isto?

Quarteira de 2007? Quarteira de 1900...

hehe disse...

Enquanto houver uns infelizes que vão comprar esse peixe, a essa gente, haverá sempre venda de peixe fora da praça a ser vendido.
Há que explicar à população que não devem comprar peixe nessas condições, senão em vez de morrerem da fomem morrem da comida! hehehe

O Café da Avozinha disse...

É verdade, Hepatites e Sidas...
Ou até peixe com vários dias de gelo, mas é triste que as pessoas acabem por comprar. Estão habituadas aos pescadores que chegam com peixe fresco e pensam que aqueles sujeitos encostados à lota têm peixe fresco.

É uma questão de educar as pessoas para esses factos e talvés alguma coisa possa mudar.

Abraços.

António Almeida disse...

Olá João!
Felicito-te pela coragem de trazer este tristíssimo assunto ao Blog. É, com efeito uma chaga que infecta grandemente a credibilidade de Quarteira como Mercado de Pescado. Além de, para mim acima de tudo, ser um atentado notório à saúde pública a acção desenvolvidapor estes dependentes/arrumadores que em part-time se transformam em vendedores de pescado e hortículas de proveniência duvidosa que para mais apresentam lastimável relacionamento com os compradores. Alerto que a inclusão social não pode ser feita pela via dos bens alimentares a menos que para além dasanidade dos produtos seja também analisada a sanidade dos vendedores e ainda as condições sanitárias e tributárias dos produtos; sob penas de se estar a contribuir para induzir riscos para a saúde pública.
Grande tema João!

Anônimo disse...

Triste é ver este tipo de cométários aqui e em qualquer lugar:
A maioria das pessoas que vendem nesse mercado são familiares dos pescadores, os toxicodependentes que se possa ver por lá têm o peixe que lhes foi dado como pagamento pelas ajuda na descarga e carga dos barcos e até há mesmo aqueles que o vão pescar 90% do peixe é fresco disso tenho firme certeza, sou compradora deles e continuarei até que o Srº. Presidente da Junta ( Zé dos Parafusos) tenha a dignidade de aplicar os fundos da cidade numa nova praça com espaço comercial para todos, pq que tem espaço na praça tem quem não tem temos pena nada há a fazer, faz nos falta um novo presidente que saiba investir o nosso dinheiro. Tenho a acrescentar que os vendedores de roupa que se vê nas ruas 95% deles têm liçenca para tal, triste triste é o nosso pais estar a ser invadido pelos chineses e as suas lojas isentas de impostos por 5 anos e ao fim desse tempo passa de nome e mais 5 anos a comerem á nossa conta, não contratam pessoal e quase não investem no país já para não falar que as lojas, cafés e afins agora resolveram expandir-se para os passeios, o peão para andar tem de voar ou então andar na estrada isso não vê a junta!!!! Estacionamento é um verdadeiro inferno mas a junta arranjou um terreno de terra batida ao pé da lota pôs lá 1 pessoa a cobrar mas o dinheiro cobrado ao fim de tanto tempo ainda não deu para construir no mesmo sítio um parque de estacionamento de 2 ou 3 andares!!!! TRISTE TRISTE É NÃO TER DE COMER E PARA DAR DE COMER AOS FILHOS PQ O NOSSO PAÍS ESTA A ANDAR PARA TRÁS E NÃO PARA A FRENTE